The Last of Us │ Produtor explica cena do “beijo” do segundo episódio

Por Durval Ramos | Editado por Jones Oliveira | 23 de Janeiro de 2023 às 19h00

clique para compartilhar

Link copiado!

O segundo episódio de The Last of Us terminou com uma cena que foi surpresa até mesmo para quem já conhece o jogo. Embora a morte de Tess (Anna Torv) fosse algo que o game já tinha antecipado, a série da HBO mudou o modo como isso acontece e colocou a contrabandista tendo um estranho e nojento beijo com um infectado. E os responsáveis pela adaptação explicaram o porquê dessa mudança e o que queriam dizer com ela.

De acordo com o showrunner Craig Mazin, a ideia do tal “beijo” surgiu mesmo como uma forma de destacar o funcionamento do cordyceps, mostrando o quanto ele segue vivo dentro do corpo dos infectados. Tanto que o episódio começa com uma cena em 2003 com uma autópsia retirando os filamentos do fungo de dentro da boca de uma mulher contaminada na Indonésia. Dessa forma, o capítulo começa e termina praticamente da mesma forma.

Atenção! Este texto traz spoilers do segundo episódio de The Last of Us!

E a cena com Tess é uma forma de explorar conceitos que os jogos nunca exploraram a fundo. Em entrevista à Variety, Mazin revela que a equipe de produção de The Last of Us passou a se perguntar por que os infectados são sempre violentos. Afinal, se a ideia do fungo é se proliferar, qual a necessidade de fazer isso de forma tão brutal? Foi quando tiveram a ideia de fazer esse contraponto.

O showrunner responde à própria questão dizendo que a violência dos contaminados acontece porque os sobreviventes resistem às investidas do fungo e, por isso, a série decidiu subverter a lógica e mostrar um momento em que essa resistência não aconteceu. Com Tess já infectada pelo cordyceps e disposta a se sacrificar para salvar Joel (Pedro Pascal) e Ellie (Bella Ramsey), ela não se preocupou em lutar contra o monstro, que fez a transmissão do fungo da maneira mais “natural” possível.

E o resultado é algo bastante particular não só por se opor à violência com que o próprio episódio apresenta com os estaladores, mas também por ser uma cena um tanto quanto nojenta. Para Mazin, a ideia era mostrar algo que fosse perturbador, com os filamentos do fungo invadindo o corpo de Tess.

“Foi uma combinação notável da direção de Neil Druckmann, a atuação de Anna Torv e do nosso departamento de efeitos visuais para fazer com que tudo isso fosse real e terrível”, diz.

The Last of Us está disponível na HBO Max.